Westy West – Best Games of 2017

Velharia

So this is how we end 2017… having developed one of the Best Android Games of the Year, according to Google Play.

This is the top of the cake for us, after an unexpectedly successful year, with Westy West featured on both the AppStore and Google Play with great user scores and reviews. We couldn’t imagine all this in the recent past, what a great year!

Anúncios

Novo grupo indie – Dicas

Velharia

Bastou chegar em Indaiatuba, e fui chamado para um grupo (dessa vez com programador, ALELUIA!) para fazer uns joguinhos para mobile.

Não vou dar detalhes dos games, pois não posso avacalhar nos spoilers. Mas vou postar a primeira cena e uma breve explicação de algumas técnicas que estou usando para deixar o game bem leve e rodar numa gama maior de celulares/tablets:

Em desenvolvimento - ignore as sombras e outras coisas.

Em desenvolvimento – ignore as sombras e outras coisas.

Bom, primeiramente, devo dizer que, esta cena só possui 3 texturas de resolução 512 x 512 e não terá mais que isso em hipótese alguma, pois quero deixar tudo realmente leve.
A primeira textura, cobre  arena, o gramado, as muretas e as traves.
A segunda textura, cobre os objetos externos à área de gameplay (bancos, postes, arquibancadas, etc). Novos objetos serão acrescentados no lado externo da arena, e continuarão usando essa mesma textura.
A terceira textura será um .PNG, e ela servirá para TODOS os objetos com transparência (redes, alambrados, etc). Nesta cena só a rede está usando esta textura, mas na seguinte, vocês verão esta textura sendo utilizada em outros objetos.

Nessa aí o bicho vai pegar

Nessa aí o bicho vai pegar

A arquibancada

Quando fui fazer a arquibancada, a primeira coisa que me veio na cabeça foi “Como vou economizar polígonos?”, afinal, a escada precisava ter uma quantidade considerável de degraus.
Aí pensei “A câmera do jogo é estática”, ou seja, em nenhum momento o jogador verá este cenário por outros angulos. O que significa até mesmo, que TALVEZ seja conveniente fazer o cenário todo pré-renderizado (mas ainda é cedo para tomar uma medida tão drástica).

Então o que fiz?
Fiz um plano retangular na diagonal, de frente para a câmera, e fiz uma textura que cria a ILUSÃO de que existem degraus ali.

Veja esta cena por outros ângulos, para entender melhor:

Que bom que a câmera é fixa, não? haha

Que bom que a câmera é fixa, não? haha

Veja uma parte da textura da arquibancada (para vocês terem noção do ângulo):

A parte de cima é a arquibancada

A parte de cima é a arquibancada

Estou vendo que será bem legal trabalhar as texturas desse projeto e estou animado.

Em breve posto novos updates!

Work in Progress – Commandos 2 remake

Velharia

Ano passado, foi um ano tenso.
O concurso da Square miou, e uns outros 2 ou 3 projetos falharam por falta de programador (como sempre).
Pouca coisa boa rolou.
Minha oportunidade de voltar para a Glu Mobile miou com o fim da empresa e minha ida para a Best Cool & Fun Games também miou com o encerramento da empresa.

Mas, já foi né…
Um dia desses, estava re-lembrando um jogo que sempre curti muito, Commandos.

E lá fui eu… tentar modelar o cenário da terceira fase do jogo.

Fiquei bastante empolgado com a idéia, vou modelar mais uns assets e gerar uns mapas de textura bacana para testar em alguma engine nova.

 

 

Concurso da Square

Velharia

Ano passado, foi anunciado o concurso da Square de jogos para plataformas mobile.

Meu grupo, mais uma vez, foi afetado pela falta de um programador. E fatores externos acabaram atrapalhando todo mundo.
Já havíamos praticamente desistido de participar, quando, faltando 2 semanas para o término do concurso, conseguimos um grupo e tentamos fazer o jogo em 2 semanas.
Obviamente, só deu pra fazer uma fase e o jogo ficou muito bugado. Isso minou as chances de o jogo prosseguir no concurso, mas pelo menos deu pra tirar alguns screenshots que valessem a pena.

Neste projeto, fiz os assets de cenário. Os personagens foram feitos por Vilson Martins e a arte gráfica foi feita por Thais Amanda Matsufugi.

Uma pena que não tenha ido para frente, ainda estou disposto a terminá-lo.

Menu do jogo

Screenshot de gameplay

Estudo – Sci-fi Corridor

Velharia

Eu sempre quis fazer alguma coisa com tema SCI-FI, e um belo dia, resolvi fazer o clássico “corredor de ficção científica”.

Eu quis deixar um clima meio Alien e Tron (sim, coisas bem diferentes), que servisse para um jogo de suspense, algum lugar que o Darth Vader habitaria, haha.

Gostei da experiência, mas agora quero fazer outro (com outras referências e estilo) e testar no UDK.

Corredor sci-fi

Corredor sci-fi

Porta do corredor

Porta do corredor

Depois, pensei no quanto seria bacana se tivesse algum jogo de estratégia, com a câmera por cima, acabei gostando deste render:

Corredor visto de cima

Corredor visto de cima

TCC – Evil Lord: Clash & Wars

Velharia

A faculdade de Design de Games não foi fácil.

Se por um lado a grande quantidade de trabalhos era necessária pra testarmos o conhecimento prático, por outro lado, nunca dava brecha para nos dedicarmos melhor a 1 coisa só.
Muitas vezes acabei fazendo a parte de game design, roteiro, e até mesmo arte promocional, e no fim das contas, nunca saíam trabalhos com um nível de qualidade (visual) dignos de ir para um portfolio de arte 3D.
O TCC foi a grande chance de conseguir isso, porque mesmo ainda tendo que se preocupar com outras áreas, consegui uns 2/3 meses para fazer o level design e modelar e texturizar os cenários.

Tiramos 8,5 e pensamos seriamente em desenvolver um modo multiplayer para publicar no Steam, mas a ausência de um programador dedicado no grupo impediu que isso se concretizasse.

Aí vão alguns screenshots. Todos os elementos do cenário de todas as fases foram modelados e texturizados por mim. Por isso mesmo, não tive também tempo pra fazer concept e foi tudo direto no 3D.

Fase na neve

Fase na neve

Chalés da fase do campo e neve

Chalés da fase do campo e neve

Placas da cidade

Placas da cidade

Fase do deserto

Fase do deserto

Entrada da Fortaleza

Entrada da Fortaleza

Fase do campo

Fase do campo

Mini-competições de textura

Velharia

Como eu havia dito… meus primeiros mods para jogos foram texturas. E talvez por isso, eu gosto MUITO de fazer texturas.

Nunca fui um frequentador assíduo do fórum Game-Artist.net, mas sempre que podia, ia lá dar uma olhada na seção de mini-competições de texturização.

Nessas mini-competições, eram dados modelos 3D para serem texturizados livremente.
Eu nunca cheguei a participar de fato das competições, porque sempre que vi, elas já tinham sido terminadas, haha, mas mesmo assim, pelo meu interesse em fazer texturas, eu pegava os modelos das competições e fazia.

Aí vão alguns renders:

Escudo

Neste escudo, tentei dar um aspecto mais realista, no estilo das armas do Skyrim.

Espantalho

Espantalho

Neste espantalho, tentei trabalhar com cores mais saturadas, deixando um pouco de lado o realismo e deixando um pouco mais caricato.

Criatura bizarra

Este dinossauro/galinha foi o primeiro modelo que peguei no game-artist para texturizar.

E alguns diffuse maps:

Textura da criatura

Textura da criatura

Textura do escudo

Textura do escudo

Textura do espantalho

Textura do espantalho

Projeto independente – Apokalypsos

Velharia

No meio da faculdade, encontrei no game-artist.net uma vaga para modelar assets para um MMORPG independente com tema pós-apocaliptico.

Eu iria começar fazendo armas de meelee com tema “materiais esportivos”… e nessa lista haviam, tacos de sinuca, pinos de boliche, tacos de baseball, tacos de críquete, entre outras coisas.
Cada asset deveria ter no máximo 2000 polígonos, e tinha que ter 3 condições físicas, que eram “novo”, “estragado”, “muito estragado”, e essas condições teriam que ser feitas na textura, e não no modelo.
Infelizmente, o projeto foi cancelado pouco depois, e acabei fazendo apenas 2 ítens (os tacos de sinuca e os pinos de boliche) e fiz alguns fixes em texturas de outros objetos (não-modelados por mim).

Pinos de boliche na condição “novo”, “estragado” e “muito estragado”.

Tacos de sinuca na condição “novo”, “estragado” e “muito estragado”.

Faculdade – início

Velharia

A faculdade, apesar de não ter atendido todas expectativas, foi o lugar onde realmente vi os jogos serem desenvolvidos e conheci muita gente boa.Se por um lado, a quantidade excessiva de trabalhos era boa para treinar a teoria na prática, por outro lado, dificilmente deixava uma brecha para me dedicar só ao 3D. Mas mesmo assim, saíram alguns trabalhos dignos.

Este prédio foi todo montado com assets modulares

Este prédio foi um estudo de montagem de cena com assets modulares

Módulo da base do prédio

Módulos do prédio

Módulos do prédio

Fotinho em detalhe do prédio

Fotinho em detalhe do prédio

Essa espingarda, foi um dos meus primeiros objetos modelados. Talvez esteja na hora de fazer um remake.

Espingarda (ah vá)

Este foi meu primeiro asset feito pra faculdade, pra ilustrar um projeto de joguinho de corrida (estilo Mario Kart). Mas esse projeto não chegou a ser executado, nem tínhamos programadores na época, haha.

Assets para joguinho de corrida

Assets para joguinho de corrida

Introdução e uns trabalhinhos…

Velharia

Ontém, antes de dormir, pensei “Por quê não criar um blog e mostrar o processo de criação de certas coisas?”.

O amanhã chegou, então, vou dar minha breve introdução para os forasteiros deste sítio.

Meu “começo” não é exatamente no 3D, mas sim numa breve jornada pela informática e jogos.
Sou um rapaz indaiatubano de 23 anos que desde os 9, gostava de estragar o computador de casa e da escola tirando peças e deletando arquivos aleatórios.
Em meio a broncas e tentativas de meu pai de consertar o PC, fui descobrindo como funcionava esta engenhosa tecnologia yankee e (não) percebia que estava ficando viciado nela.
Os anos se passaram, muita coisa foi estragada e muita coisa foi criada. Com 12 anos, eu era um jovem nerd que fazia sites em HTML pelo bloco de notas compulsivamente (esses sites não existem mais… é lógico!) e fazia belos estragos belas montagens no Photoshop.

Um dia, procurando cheats informações sobre jogos piratas, descobri o site GameVício, que na época, ainda não era um portal de fanboys briguentos, mas sim um site que reunia equipes para traduzir jogos de PC. E nisso, participei de alguns projetos de tradução (se me recordo bem… Hitman: Blood Money, GTA IV, F.E.A.R. e mais alguns jogos que não me lembro).
Também tentei traduzir alguns jogos de PSP sozinho, mas obviamente, traduzir um jogo 100% era um trabalho gigante que eu nunca consegui terminar.

Tradução, nunca terminada, de GTA Liberty City Stories

Tradução, nunca terminada, de GTA Liberty City Stories

Mas a magia só veio de verdade lá por volta dos 15 anos, quando comecei a fuçar em arquivos de jogos que eu tinha no meu computador, e comecei a procurar ferramentas para editá-los, criando certas bizarrices para o GTA San Andreas:

Brazilian diñeros

Brazilian diñeros

Super tatuagem da Tiazinha

Uniforme da seleção brasileira de 2006

Disponibilizei alguns desses mods na internet, com meu bom e velho nick “Marceluwool” e é possível encontrá-los até hoje, mas… certamente ninguém quer jogar GTA San Andreas em 2013 né? haha.

Ainda hoje… postarei (resumidamente) sobre os anos seguintes, e apresentarei alguns trabalhos de texturização do meu portfolio. Porque quero chegar logo onde realmente interessa (os trabalhos recentes, pós-faculdade).